PORTFÓLIO

A premissa básica da Socioambiental é a busca contínua de um padrão dinâmico de qualidade, calçado na ética, técnica e criatividade. Transparência, visão holística e participativa, base científica e abordagem real dos problemas são as ferramentas, enquanto competência, confiabilidade e soluções inovadoras são os produtos desta equação que a empresa tem conquistado na prática.

CONSERVAÇÃO AMBIENTAL

Proposta e simulação do índice de conservação da água e análise dos cenários decorrentes da implantação do ICMS-Ecológico em Santa Catararina

– 08/2005 – 02/2006

Elaboração de proposta de um Índice de Conservação da Água, tendo como pressuposto que a sua formulação se dará com base na relação dos índices de conservação de águas superficiais e subterrâneas e em critérios quantitativos e qualitativos. Trabalho desenvolvido para a FATMA – Fundação do Meio ambiente do Estado de Santa Catarina.

Plano Básico Ambiental do Terminal Privativo de Imbituba

– 2009

O PBA contemplou o desenvolvimento de 17 programas, incluindo monitoramento de Cetáceos (especialmente a Baleia-franca), gerenciamento de resíduos sólidos e controle de geração de ruídos e emissões atmosféricas. Projeto executado para Imbituba Empreendimentos Participações S/A, para
obtenção da Licença Ambiental de Implantação na FATMA.

Incubação de OSCIP para gestão a partir da integração com o entorno do Parque Estadual Fritz Plaumann

– 08/2005 – 11/2007

A solução por “incubação da gestão com sistema de integração produtiva do entorno” foi previamente desenvolvida pela própria Socioambiental, como estratégia de sustentabilidade futura do Parque, durante a elaboração do Plano de Manejo do Parque Estadual Fritz Plaumann, no âmbito da aplicação da  compensação ambiental da Usina Hidrelétrica Itá. Trabalho desenvolvido para a TRACTEBEL Energia S.A. sob supervisão da FATMA.

Regulamentação do Sistema Estadual de Unidades de Conservação (SEUC)

– 2004/2005

Análise da legislação (Federal e dos Estados) relativa ao assunto e elaboração de levantamento da situação do SEUC de Santa Catarina, sob o enfoque normativo jurídico e legal. Trabalho desenvolvido para a FATMA.

Plano de Manejo Integrado dos Parques Nacionais de Aparados da Serra e Serra Geral

Desenvolvimento do Plano de Manejo para estes dois Parques Nacionais, utilizando a metodologia de Rapid Ecological Assessment (Avaliação Ecológica Rápida) para o diagnóstico do meio biótico. O cliente foi o IBAMA, e a contratação da empresa ocorreu através da ELETROSUL com recursos de compensação ambiental.

Plano de Manejo da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo

– Abril/2004

Execução do projeto aprovado pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente (Ministério do Meio Ambiente) visando a elaboração do Plano de Manejo da Reserva Biológica e a consolidação de seus mecanismos de implementação. Contratada pela ONG APRENDER (Ações para Preservação dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Econômico Racional).

Produto Básico de Zoneamento do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

– 1999 – 2000

Série de estudos, diagnóstico e a proposta de Zoneamento do Parque, além do desenvolvimento de soluções de diretrizes para o equacionamento dos principais problemas enfrentados por esta Unidade de Conservação. Este trabalho foi realizado para a FATMA.

Projeto Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

– 2001

Conservação da biodiversidade e reabilitação de ecossistemas. Pela elaboração de Medium-Sized Project Proposal para o Global Environmental Facilities (GEF/ World Bank / FAO), contratado pela FATMA. Projeto elaborado com base nos diagnósticos sócio-econômicos e ambientais, em processo participativo das diversas comunidades, instituições e organizações.

Projeto de desenvolvimento sustentável do entorno da Estação Ecológica de Carijós

– 2002

Mapeamento de vegetação e paisagem, identificação e caracterização das atividades econômicas, com avaliação de potenciais impactos; identificação da legislação ambiental incidente; levantamento de fauna
e habitats críticos; diagnóstico participativo com as comunidades de entorno; elaboração de projetos específicos de ações; elaboração participativa do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Entorno da Estação Ecológica de Carijós

Plano de Manejo do Parque Natural Municipal Teixeira Soares

– 2000

Elaboração dos diagnósticos sócio-econômico e ambiental, e consolidou o Plano de Manejo.

Plano de Manejo do Parque Estadual do Rio Canoas

– 2005

Trabalho desenvolvido para a ENERCAN Campos Novos Energia S.A.sob a supervisão da FATMA, como medida compensatória da UHE Campos Novos.

Plano de Manejo da Reserva Biológica Estadual do Aguaí

– 2007 – 2010

Os trabalhos foram desenvolvidos com recursos do KFW (Bankengruppe – Banco Alemão) e contrapartida do Governo de Santa Catarina, no âmbito do Projeto de Proteção da Mata Atlântica (PPMA/SC), cujo objetivo foi apoiar a FATMA, a Polícia Ambiental e outros parceiros nas ações de proteção e conservação da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina. O Plano de Manejo da Reserva Biológica Estadual do Aguaí foi elaborado utilizando a metodologia de Avaliação Ecológica Rápida e levantamento de dados pretéritos para o diagnóstico do meio biótico, assim como o levantamento de dados de primários e secundários para as áreas do meio físico e socioeconômico.

Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra Furada

– 2008-2010

Os trabalhos foram desenvolvidos com recursos do KfW  (Entwicklungsbank, Banco Alemão) e contrapartida do Governo do Estado de Santa Catarina, no âmbito do Projeto de Proteção da Mata Atlântica (PPMA-SC). A metodologia utilizada foi a da Avaliação Ecológica Rápida . O Parque Estadual da Serra Furada está situado ao sul do estado de Santa Catarina, e abrange uma área de 1.330 ha entre os municípios de Orleans e Grão-Pará.

Plano de Manejo da Floresta Nacional de Chapecó

– 2008 – 2013

O trabalho foi realizado no âmbito do contrato estabelecido entre a empresa Foz do Chapecó Energia S.A. e a Socioambiental, com parte dos recursos da compensação ambiental do licenciamento da Usina Hidrelétrica de Foz do Chapecó que teve como beneficiário o ICMBio .
A Socioambiental desenvolveu o Plano de Manejo da Floresta Nacional de Chapecó utilizando a metodologia de Avaliação Ecológica Rápida para o diagnóstico do meio biótico e levantamentos de dados de campo e de dados secundários para as áreas do meio físico e socioeconômico. O levantamento florístico e da estrutura da vegetação foi baseado em inventários florestais realizados também pelo Plano de Manejo. Ao longo do trabalho, também foram utilizadas metodologias participativas com representantes chaves do município.

Plano de Manejo da Floresta Nacional de Passo Fundo

– 2008 – 2011

A elaboração do Plano contou com recursos da compensação ambiental do licenciamento da Linha de Transmissão Campos Novos – Santa Marta, no âmbito do contrato estabelecido entre a empresa Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. (ETAU) e a Socioambiental, tendo como beneficiário o ICMBio.
A Socioambiental desenvolveu o Plano de Manejo utilizando a metodologia de Avaliação Ecológica Rápida para o diagnóstico do meio biótico e levantamentos de dados de campo e de dados secundários para as áreas do meio físico e socioeconômico. O levantamento florístico e da estrutura da vegetação foi baseado em inventários florestais realizados também pelo Plano de Manejo. Ao longo do trabalho, também foram utilizadas metodologias participativas com representantes chaves do município.

ÓLEO E GÁS

Projeto de Monitoramento de Cetáceos na Bacia de Santos (PMC-BS)

– Desde 2015

Projeto tem duração de 6 anos, junto a PETROBRAS e IBAMA, para a Baía de Santos, que visa-se  a busca de conhecimentos básicos sobre a comunidade de cetáceos e sobre a dinâmica das perturbações que a atinge, de forma a permitir identificar os impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo e gás, possibilitando subsidiar a definição de medidas que minimizem ao máximo esses impactos.

Avaliação da temperatura e salinidade do mar no entorno dos emissários submarinos de Guamaré/RN no âmbito da UO-RNCE

– 2019

As atividades do serviço compreenderam em seis campanhas para avaliar a temperatura e salinidade do mar no entorno dos emissários submarinos de Guamaré, com medições ao longo da coluna d’água efetuadas por um instrumento multissensor – CTD (do inglês Conductivity, Temperature, Depth). As estações amostrais foram predefinidas e estabelecidas no ponto de dispersão do efluente e em raios distantes 200 e 500m dos emissários submarinos.

Monitoramento Ambiental do PRAD-ICC - LOGIGÁS

– Desde 2018

O Monitoramento ambiental conta com serviços de amostragem e medição de vazão em  águas superficiais, amostragem por baixa vazão em poços de águas subterrâneas, monitoramento e mapeamento geotécnico dos processos erosivos, monitoramento de fauna e vegetação. Localizado nos municípios de Forquilinha e Criciúma/SC. Contratante: LOGIGÁS

Monitoramento do Perfil Praial da Praia da Enseada - TRANSPETRO

– 2019-atual

Programa de Monitoramento do Perfil Praial da Praia da Enseada no município de São Francisco do Sul/SC à serviço do Terminal Aquaviário de São Francisco do Sul (TEFRAN) – TRANSPETRO

Monitoramento da qualidade superficial de sedimentos marinhos Terminal Aquaviário da TRANSPETRO

– Desde 2018

Serviços de coleta de amostras, análise de caracterização e monitoramento da qualidade superficial de sedimentos marinhos do Terminal Aquaviário da TRANSPETRO em Barra do Riacho, em Aracruz/ES.

Serviços de caracterização e monitoramento da biodiversidade na SIX/PETROBRAS

– De 2008 à 2016

Na cidade de São Mateus do Sul no Paraná, com objetivo de avaliar os processos de recuperação de áreas degradadas pela mineração de xisto, utilizando-se parâmetros e indicadores da biodiversidade. 

Monitoramento de potabilidade de água dos Pontos Operacionais da TRANSPETRO

– Desde 2013

Serviços de coleta de amostras, análise de caracterização e monitoramento da potabilidade da água nos Pontos Operacionais da TRANSPETRO nos Estados de Alagoas, Pernambuco e Paraíba.

Monitoramento de água dos poços de monitoramento, dos efluentes sanitários e industriais da TRANSPETRO

– Desde 2017

Compreende coleta, análises laboratoriais e caracterização das águas subterrâneas dos poços de monitoramento, dos efluentes sanitários e industriais nas unidades operacionais da TRANSPETRO nos Estados do Ceará e Maranhão.

GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL INDÍGENA

Plano Básico Ambiental da Componente Indígina da PCH Buriti

– Desde 2016

Coordenação e gestão técnica do Plano Básico Ambiental do Componente Indígena (PBA-CI) da Terra Indígena Tirecatinga, estado do Mato Grasso do Sul, município de Sapezal, compreendendo a implementação de 09 programas ambientais na TI Tirecatinga, todos eles voltados às necessidades do processo de licenciamento ambiental. Cliente Electra Energy/Intrepid Investimentos e Participações.

Corredor Ecológico de Chapecó

– 2008 – 2009

Com vistas a integração socioespacial dos povos indígenas no contexto da elaboração do Corredor Ecológico de Chapecó, elaborou-se um Diagnóstico Socioeconômico da Área do Corredor Ecológico da Bacia Hidrográfica do Rio Chapecó, contando com dados secundários e incursões às terras indígenas para caracterização sociocultural, econômica e ambiental das populações indígenas, com vistas à compreensão dos processos históricos recentes que influenciaram os processos de expropriação territorial
com objetivo de elaborar novas abordagens produtivas para “viver e produzir”. Complementarmente foram realizados estudos de caracterização e análise de pressão das terras indígenas sobre a fauna, flora e recursos hídricos. Cliente FATMA.

Linha de Transmissão Joinville - São Francisco do Sul

– 2001

Os estudos apontaram o seccionamento de uma área identificada pela FUNAI em 1998 como terra indígena Guarani, sendo necessária a alteração do traçado original numa extensão de 18 km e a elaboração do Parecer antropológico relativo às Comunidades Guaranis da Região Litoral Norte de Santa Catarina. Cliente ELETROSUL.

EIA/RIMA da Usina Termelétrica Norte Catarinense

– 2012 – 2014

O EIA contou com um grande esforço de pesquisa para definição de 27 alternativas locacionais com menores comprometimentos ambientais e sociais. Para a escolha da alternativa mais apropriada a componente indígena teve um peso especial na matriz de avaliação, de forma a contemplar as regulamentações legais do processo de licenciamento ambiental versando sobre os povos indígenas. Cliente Tractebel Energia/Engie.

Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (PEST)

– 1999 – 2000

Este estudo abarcou uma densa etnografia e caracterização socioeconômica, ambiental e territorial dos
Povos Indígenas presentes no território do Parque e teve como objetivo propor medidas para garantir e
efetivar a articulação da criação do Parque com as prerrogativas legais de uso, participação e direitos
originários ao território tradicional do Povo Mbya Guarani. O estudo originou o relatório: Os índios Guarany Mbya e o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. Cliente FATMA.

PARQUES TECNOLÓGICOS

Desenvolvimento do Conceito Ambiental do Sapiens Parque

– 2003

Este é um dos principais projetos de centros tecnológicos atualmente em planejamento no Brasil, e é financiado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia e pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI).

EIA/RIMA Sapiens Parque

– 2003 – 2004

Estudos de Impacto Ambiental e de Vizinhança do Empreendimento Sapiens Parque no Distrito de Canasvieiras (Florianópolis/SC), foi desenvolvido através de uma parceria estratégica entre a Socioambiental, a e.labore Assessoria Estratégica em Meio Ambiente, empresas contratadas pela Fundação CERTI proponente do empreendimento juntamente com a CODESC (Companhia de Desenvolvimento do estado de Santa Catarina). Foi aplicada a metodologia participativa desenvolvida pela Socioambiental – a Inserção Socioambiental, cujo resultado foi o envolvimento das comunidades do entorno no planejamento e readequação do Master Plan do empreendimento, assim como na formulação de medidas mitigadoras e compensatórias.

EIA/RIMA Parque de Inovação da Serra Catarinense

– 2011

Elaboração do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental do PISC. O PISC foi criado pela Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (CODESC), cujo objetivo é instalar outros parques semelhantes nas diversas regiões do estado de Santa Catarina, sempre respeitando a configuração e a característica econômica de cada localidade. O PISC será instalado em Lages (SC), na localidade de Índios, a aproximadamente 11 km do centro do município.

SETOR DE TRANSPORTES

Licenciamento das Obras de Fechamento do Píer de Atracação do Iate Clube de Santa Catarina

-2017 – 2018

Esta licença trata do fechamento do trapiche localizado na porção mais ao sul do empreendimento, fechamento este, para minimizar os impactos das ondas nas embarcações. O trapiche de formato em “L”, com o primeiro Tramo saindo do terrapleno com 185 mts (cento e oitenta e cinco metros) de comprimento e no segundo Tramo com um deslocamento em 90º no sentido nordeste com 100 mts (cem metros) de comprimento, totalizando 285 mts (duzentos e oitenta cinco metros) de comprimento.

Monitoramento da qualidade da água durante as obras de dragagem do Iate Clube Veleiros da Ilha

-2012 – 2017

O serviço consistiu em campanhas semanais para monitoramento da qualidade da água durante as obras de dragagem do Iate Clube de Santa Catarina, localizado na Baía Sul de Florianópolis.

Plano de Manejo para Estrada Parque do Pantanal

-2005 – 2006

Com recursos do Programa Pantanal, a criação da Estrada Parque teve como objetivo promover o desenvolvimento turístico e assegurar a preservação e valorização do Patrimônio cultural e natural. O Plano de Manejo foi executado com recursos do Programa Pantanal e contou com estudos de diagnóstico, zoneamento, normatização e planejamento de uma área de aproximadamente 7 mil ha ao longo dos aproximados 120 km da estrada que se estende entre Corumbá e Ladário, contemplando quatro das onze tipologias de diferentes pantanais. Cliente Ministério de Integração Nacional.

Rodovia INTERPRAIAS (SC 487)

– 1992

Diagnóstico Ambiental e Diretriz Geral de Traçado, trecho com extensão de 140 km, interligando Passo de Torres/SC à Laguna/SC. DER/SC.

EIA/RIMA da Rodovia Interpraias (SC 487)

– 1994

EIA/RIMA da Rodovia Interpraias, trecho com extensão de 140 Km, interligando Passo de Torres/SC à Laguna/SC. DER/SC.

EIA/RIMA da duplicação da SC 401

– 1994

EIA/RIMA da duplicação da SC-401, trecho Itacorubi-Canasvieiras, com extensão de 19,6 km, na Ilha de Santa Catarina. DER/SC.

EIA/RIMA da SC 410

– 1995

EIA/RIMA da SC-410, trecho Governador Celso Ramos – BR-101, com extensão de 27 km, com 11 km cruzando a Área de Proteção Ambiental (APA) de Anhatomirim. DER/SC.

Projeto Conceitual da Estrada-Parque para a Rodovia SC 410

– 1998

A rodovia SC 410 cruza a APA de Anhatomirim, na região metropolitana de Florianópolis. Durante estudos de Avaliação de Impacto Ambiental da pavimentação da rodovia foi proposto um conceito inovador de Estrada-Parque para a obra. Por este conceito, seriam valorizados aspectos cênicos ao longo da rodovia, em
especial a Mata Atlântica e a Baía Norte da Ilha de Santa Catarina.

Estudos e Projetos para integração de rodovias ao meio ambiente

– SC 303 Contorno de Joaçaba (1995)

– SC 439 Urupema – Painel (1994)

– SC 410 Acesso Sul Governador Celso Ramos (1994)

– SC 487 Lote 1 – Interpraias (1995)

Plano Básico Ambiental do terminal Privativo do Porto de Imbituba

EIA/RIMA do Aeródromo Privado Costa Esmeralda Jurerê

SETOR TURÍSTICO-IMOBLIÁRIO

Análise prévia de viabilidade ambiental da Ilha João da Cunha (Porto Belo)

– 2004

Identificação e análise de produtos críticos, ou “gargalos” ambientais do empreendimento, apontando soluções que irão subsidiar ações do planejamento. Esta metodologia foi aplicada na Ilha João da Cunha, onde os proprietários analisavam a proposta de implantação de um empreendimento imobiliário na mesma.

EIA/RIMA Ecoresort Ilha de Porto Belo

– 2008

Estudo de Impacto Ambiental do Ecoresort Ilha de Porto Belo, em Porto Belo/SC, na Ilha João da Cunha, com área de aproximadamente 39 hectares. Área contruída de aproximadamente 25.000 m², sendo previstos 350 usuários mais 125 funcionários. Obteve a Licença Prévia – LP no IBAMA/SC em 2011.

PBA Ecoresort de Porto Belo

– 2013 – 2016

Detalhamento de Planos e Programas do Ecoresort Ilha de Porto Belo, visando a obtenção de Licença de Instalação no IBAMA/SC.

EIA/RIMA do Empeendimento imobiliário Morro dos Conventos

– 2001

Desenvolvimento de uma Análise Ambiental Estratégica (AEVA), seguido pelo EIA/RIMA da proposta original, incrementado pelo Projeto Conceitual de um Parque Ecológico, o que resultou na proposta inovadora de um Complexo Ecoturístico/Habitacional. Cliente: TREM Administração e Participações Ltda (Grupo CECRISA).

Diagnóstico Ambiental da Planície do Rio Ratones

– 1992

Diagnóstico Ambiental da Planície Aluvionar do Rio Ratones realizada para HABITASUL em Jurerê, Florianópolis/SC.

Jurerê Internacional - HABITASUL

– 1995

Estudo dos Efeitos Ambientais Provocados pela Implantação da Comunidade Marítima de Jurerê, Florianópolis/SC.

EIA/RIMA Jurerê Internacional HABITASUL

– 2003 – 2004

Diagnóstico e adequação do Projeto Urbanístico do Jurerê Internacional Norte – Etapas 10 e 11, Florianópolis/SC.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Educação Ambiental e Comunicação para as Comunidades Vizinhas ao Empreendimento – Complexo Eólico Santa Mônica

– 2014 – 2017

A Socioambiental executou para Engie Energia os Programas de Educação Ambiental e Comunicação para as Comunidades Vizinhas ao Empreendimento do Complexo Eólico Santa Mônica em Trairi no estado do Ceará, com capacidade instalada de 97,2 MW. Os programas tiveram como público alvo os moradores de cinco comunidades do entorno do empreendimento, os alunos de escolas do município e todos os funcionários da obra do Complexo Eólico. A execução do Programa de Educação Ambiental contou com o desenvolvimento de oficinas temáticas e de palestras que trataram temas como: articulação social e cooperação comunitária, licenciamento ambiental e produção de energia. Esse programa previu também a produção de conteúdo para cinco Cartilhas de Educação Ambiental e a elaboração de três Projetos Pedagógicos em parceria com duas escolas. Já o programa de Comunicação para as Comunidades concentrou suas atividades na realização de visitas semanais aos líderes comunitários para auxílio à estruturação das associações e no esclarecimento de dúvidas sobre o empreendimento, na elaboração de conteúdo para os informativos do Complexo Eólico e na realização de quatro Pesquisas de Opinião.

Educação Ambiental e Comunicação Social – Linha de Transmissão do Complexo Eólico Santa Mônica

– 2015 – 2016

Execução dos Programas de Educação Ambiental e Comunicação Social em comunidades localizadas no traçado das Linhas de Transmissão do Complexo Eólico Santa Mônica, município Trairi no Ceará. O trabalho foi contratado pela Engie Energia. O serviço contou com atividades de Palestras, visitas às comunidades, reuniões com líderes comunitários e distribuição de cartilhas e informativos das Linhas de Transmissão de Energia do Complexo Eólico Santa Mônica.

Programa de Educação Ambiental para trabalhadores da Obra Complexo Eólico Umburanas, professores, técnicos das Secretarias de Educação e Meio Ambiente de Umburanas e comunidades envolvidas

– 2018 – 2019

A Socioambiental executou o Programa de Educação Ambiental (PEA) do Plano Básico Ambiental (PBA) do Complexo Eólico Umburanas, localizado em Umburanas (BA), empreendimento da Engie Energia.

O Objetivo deste programa foi a construção de conhecimento, individual e coletivo, para a adoção de práticas cotidianas, tanto por parte do empreendedor, quanto da população local, que contribuam para a conservação e preservação dos recursos naturais locais, bem como para resolução de questões sociais latentes.

O Programa finalizou suas atividades em março de 2019 e contou com 37 ações que somaram 1.277 participantes.

O Complexo Eólico Umburanas está sendo construído na Caatinga Baiana, nos municípios de Sento Sé e Umburanas.  No total, o empreendimento conta com 144 aerogeradores que somam 360 MW de capacidade instalada. Desde 4 de janeiro de 2019, tem autorização da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para operação comercial de parte de seus aerogeradores.

Programa de Educação em Saúde para moradores AID do Complexo Eólico Umburanas e Linha de Transmissão Associada

– 2018 – 2019

A Socioambiental executou o Programa de Educação em Saúde  do Plano Básico Ambiental (PBA) do Complexo Eólico Umburanas e Linha de Transmissão Associada, localizado em Umburanas (BA), empreendimento da Engie Energia.

O principal objetivo do programa foi a redução de vulnerabilidade e os riscos à saúde dos moradores da Área de Influência Direta (AID) do complexo Eólico Umburanas e Linha de Transmissão

O Complexo Eólico Umburanas está sendo construído na Caatinga Baiana, nos municípios de Sento Sé e Umburanas.  No total, o empreendimento conta com 144 aerogeradores que somam 360 MW de capacidade instalada. Desde 4 de janeiro de 2019, tem autorização da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para operação comercial de parte de seus aerogeradores.

ESGOTO SANITÁRIO

Readequação SES Itá

– 2012 – 2015

Elaboração do projeto de readequação do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) da área urbana do município de Itá, localizado no meio oeste catarinense, que conta com uma população total de 6.426 habitantes (2010), sendo que 4.057 habitantes (63,1%) vivem na zona urbana do município. Transformação do sistema descentralizado em centralizado, interligando todas as bacias sanitárias através de pequenas Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), sendo o esgoto encaminhado para tratamento único em área já adquirida pela Prefeitura Municipal de Itá. Cliente CASAN.

Estudo Técnico Preliminar do Sistema de esgoto Sanitário de Navegantes

– 1999

Para uma população de final de projeto de 114.703 habitantes e vazão máxima diária de 307,27 l/s. Cliente CASAN.

Estudo Técnico Preliminar do Sistema de Esgoto Sanitário de Timbó

– 1999

Para uma população de final de projeto de 32.387 habitantes e vazão máxima diária de 88,22 l/s. Cliente CASAN.

Estudo Técnico Preliminar do Sistema de Esgoto Sanitário de Indaial

– 1999

Para uma população de final de projeto de 48.754 habitantes e vazão máxima diária de 116,34 l/s. Cliente CASAN.

Estudo Técnico Preliminar do Sistema de Esgoto Sanitário de Rio do Sul

– 1999

Para uma população de final de projeto de 69.380 habitantes e vazão máxima diária de 138,07 l/s. Cliente CASAN.

Sistema de Esgoto Sanitário do Distrito de Santo Antônio de Lisboa

– 2005

Projeto executivo para atender o distrito de Santo Antônio de Lisboa (Florianópolis/SC), com uma população prevista de 9.367 habitantes e vazão máxima diária de 23,42 l/s. Cliente CASAN.

Sistema de Esgoto Sanitário do Distrito de Santo Antônio de Lisboa e Região do Saco Grande

– 2005

Estudo técnico preliminar para atender o distrito de Santo Antônio de Lisboa e Região do Saco Grande (Florianópolis/SC), com uma população prevista de 50.940 habitantes e vazão máxima diária de 144,40 l/s. Cliente CASAN.

Sistema de Esgoto Sanitário de Piratuba/SC

– 2006

Estudo técnico preliminar para atender a cidade de Piratuba, com uma população prevista de 7.280 habitantes e vazão máxima diária de 23,75 l/s. Cliente CASAN.

Sistema de Esgoto Sanitário do Loteamento Colinas da Pedra Branca

– 1999, 2002, 2007

Para uma população na primeira etapa de 25.396 habitantes, 35.396 habitantes na segunda etapa e 65.396 na terceira etapa. Vazão máxima diária de 185,83 l/s para final de plano. Cliente Portobelo.

Programa Prosanear - Educação Sanitária da Comunidade Chico Mendes de Florianópolis

– 1998

As comunidades alvo deste projeto foram selecionadas pelo Programa PROSANEAR, visando a implantação de infraestrutura de saneamento básico. A comunidade Chico Mendes apresentava população de 2.485 pessoas em uma área de 94.250m². O projeto buscou facilitar o desenvolvimento de um processo que levasse a população atendida a contribuir no equacionamento dos problemas sanitários e ambientais vivenciados pela comunidade. Cliente CASAN.

Sistema de Esgoto Sanitário da Barra da Lagoa

Projeto executivo para atender o balneário da Barra da Lagoa (Florianópolis/SC), com uma população prevista de 20.000 habitantes. Cliente CASAN.

Siistema de Esgotamento Sanitário Costão do Santinho Resort & SPA

– 2000

Tratamento do esgoto para reuso de água no Costão do Santinho Resort & SPA (Florianópolis/SC), 1852 leitos. 

Projeto executivo do Sistema de Esgotamento Sanitário do Sapiens Parque

– 2008

Tratamento do esgoto para reúso. População de 998 habitantes. 

Estação de Tratamento de Efluentes do Laboratório de Remediação de águas subterrâneas da UFSC

– 2008

Tratamento do esgoto para reúso com tratamentos individualizados das águas cinza e marrom. População de 133 habitantes.

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Projeto final de Engenharia do Sistema de Abastecimento de água da cidade de Içara/Praia do Rincão

– 2000

Para uma população de final de projeto de 125.577 habitantes e vazão máxima diária de 355,10 l/s. Cliente CASAN.

Projeto final de Engenharia do Sistema de Abastecimento de água da cidade de Turvo

– 2000

Para uma população de final de projeto de 5.550 habitantes e vazão máxima
diária de 15,70 l/s.
Cliente CASAN.

Projeto final de Engenharia do Sistema de Abastecimento de água da cidade de Siderópolis

– 2000

Para uma população de final de projeto de 13.069 habitantes e vazão máxima diária de 26,00 l/s. Cliente CASAN.

Projeto final de Egenharia do Sistema de Abastecimento de água da cidade de Lauro Muller

– 2000

Para uma população de final de projeto de 9.185 habitantes e vazão máxima diária de 37,00 l/s. Cliente CASAN.

Projeto executivo de engenharia para execução das obras da adutora de 1200 mm, do SAA da Grande Florianópolis

– 2001

A ser executada entre o reservatório existente no local da Estação de Tratamento de Água, no Morro dos Quadros, Palhoça/SC, e o trecho, já executado, a partir do entroncamento das rodovias BR-282 e BR-101. Cliente CASAN.

Projeto final de Engenharia dos Sistemas de Abastecimento de ágau de Dionísio Cerqueira, Barracão, Bom Jesus do Sul e Bernardo de Irigoyen na Argentina

– 2001

Para uma população de final de projeto de 37.024 habitantes e vazão máxima diária de 98,2 l/s. Cliente CASAN.

PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PMSB Palmas

– 2013

Estudos Técnicos visando à edição pelo município do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB ), a fim de compatibilizar a prestação dos serviços no âmbito municipal com o novo marco legal consistente na Lei Federal nº11.445/2007, na busca da sua almejada universalização dos serviços. O PMSB foi aprovado em 2013, contando com a realização de 6 Audiências Públicas.

PMSB Foz do Chapecó

– 2010 – 2012

Realização de 6 Planos Municipais de Saneamento Básico relativos aos municípios de Nonoai/RS, Alpestre/RS, Rio dos Índios/RS, Faxinalzinho/RS, Erval Grande/RS, Itatiba do Sul/RS e Barra do rio Azul/RS.

GERAÇÃO DE ENERGIA

Programas Ambientais do Complexo Eólico Umburanas e Linha de Transmissão associada

– 2018 – 2019

Durante a fase de implantação do empreendimento foram executados quatro programas ambientais definidos no PBA do Complexo Eólico Umburanas e Linha de Transmissão associada: Monitoramento dos Recursos Hídricos, Educação Ambiental, Monitoramento de Ruídos e Educação em Saúde.

EIA/RIMA da Usina Termelétrica Norte Catarinense

– 2013 – 2015

EIA/RIMA da Usina Termelétrica Norte Catarinense à Gás Natural, com potência de 600 MW, no município de Garuva/SC, gerando energia suficiente para abastecer uma população de um milhão e oitocentos mil habitantes. Empreendedor Tractebel Energia/Engie.

Programa de Auditoria Ambiental do Complexo Eólico Trairi

– 2011 – 2013

Durante toda a fase de implantação do Complexo Eólico Trairi, a Socioambiental executou o Programa
de Auditoria Ambiental do empreendimento que englobou todos os programas ambientais das Centrais Eólicas que compõe o complexo. O Programa de Auditoria Ambiental enquadra-se dentro do processo de implantação dos empreendimentos como uma ferramenta de verificação com uma perspectiva de melhoria
contínua para o cumprimento das medidas mitigadoras e demais condições impostas. Empreendedor Tractebel energia/ Engie.

Programas Ambientais do Complexo Eólico Santa Mônica

– 2014 – 2017

Durante a fase de implantação do empreendimento foram executados cinco programas ambientais definidos no PBA do Complexo Eólico Santa Mônica: Monitoramento de Águas Superficiais e Subterrâneas, Monitoramento de Solos, Monitoramento de Ruídos, Educação Ambiental e Comunicação para as comunidades Vizinhas ao Empreendimento.

PACUERA da UHE São Salvador

– 2008

Elaboração do PACUERA para a UHE de São Salvador, definição do zoneamento, as normas e os percentuais de uso para a Área de Preservação Permanente – APP do reservatório.

PACUERA da PCH Arvoredo

– 2010

PACUERA da PCH Arvoredo (SC), teve como objetivo a conservação da paisagem natural e dos recursos hídricos conciliados aos benefícios sociais e econômicos oportunizados pela nova realidade decorrente da implantação do empreendimento.

Revisão do PACUERA da UHE São Salvador

– 2014

Reavaliação do zoneamento e código de usos.

Fiscalização Ambiental e Sociopatrimonial das UHEs Itá e Machadinho

– Desde 2016

Compreende todas as atividades necessárias para a fiscalização e vistoria para identificação e tratamento de irregularidades ambientais e sociopatrimoniais quanto ao uso das águas e do entorno do reservatório e suas áreas de concessão. Manter fiscalização sobre áreas da concessão de energia, coibir usos inadequados e ocupações clandestinas e zelar pelas condições ambientais do entorno. 

Adequação da infraestrutura de serviços de saúde, assistência social, educação, lazer e segurança da UHE Barra Grande

– 2001/2002

Análise das consequências da instalação da UHE Barra Grande na infra-estrutura de saúde, assistência social, educação, lazer e segurança de 09 municípios localizados no entorno do reservatório, na divisa entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Cliente: Consórcio Barra Grande (BAESA).

Reestruturação e Revitalização das Comunidades Lindeiras do Reservatório da UHE Barra Grande

– 2001 – 2002

Identificação de possíveis impactos sobre a viabilidade socioeconômica e cultural decorrentes da construção da UHE Barra Grande e possíveis medidas de mitigação a serem implantadas num plano de diretrizes, critérios e procedimentos para revitalização de 38 comunidades lindeiras do
reservatório, pertencentes a 09 municípios dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Cliente: Consórcio Barra Grande (BAESA)

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda

– Maio/2001

Identificação de aspectos ambientais, avaliação e priorização dos impactos ambientais associados, a partir de metodologia fundamentada nos requisitos normativos de Sistema de Gerenciamento Ambiental. Cliente GERASUL/Tractebel.

Monitoramento do Lençol Freático da UHE Garibaldi

– Desde 2014

Monitoramento através da realização de campanhas trimestrais para diagnóstico da composição físico-química e microbiológica e classificação hidrogeoquímica das águas subterrâneas do entorno da UHE Garibaldi, que está localizada entre as cidades de Abdon Batista e Cerro Negro, em Santa Catarina e tem capacidade instalada de 191,9 MW. Cliente: Triunfo Rio Canoas.

Monitoramento da qualidade da água, ETA e ETA da UHE Salto do Rio Verdinho

– Desde 2011

Monitoramento através da realização de campanhas trimestrais para estudo e diagnóstico das condições limnológicas e de qualidade das águas do rio Verde e de seus afluentes na área de influência do reservatório da UHE Salto do Rio Verdinho, além de análises dos efluentes líquidos sanitários e da água utilizada
para consumo na usina, localizada entre os municípios de Caçu e Itarumã, em Goiás, com capacidade instalada de 93 MW. Cliente Votorantim Energia. 

Monitoramento da qualidade da água, ETE e ETA da UHE Pedra do Cavalo

– Desde 2012

Monitoramento através da realização de campanhas trimestrais para estudo e diagnóstico das condições limnológicas e de qualidade das águas do reservatório, formado pelos rios Paraguaçu e Jacuípe, além de análises dos efluentes líquidos sanitários e da água utilizada para consumo na UHE Pedra do Cavalo,
que está localizada entre os municípios de Governador Mangabeira e Cachoeira, no estado da Bahia, com capacidade instalada de 160 MW. Cliente Votorantim Energia.

Monitoramento da potabilidade da água e dos efluentes líquidos da UHE Picada

– Desde 2011

Monitoramento através da realização de campanhas mensais para avaliação da qualidade da água de consumo e análise dos efluentes líquidos sanitários e indústrias da UHE Picada, localizada no município de Juiz de Fora/MG com capacidade instalada de 50 MW. Cliente Votorantim Energia.

Avaliação da potabilidade da água dos reassentamentos rurais coletivos da UHE Estreito

– 2013 – 2014

Avaliação da potabilidade da água através da realização de campanhas trimestrais nos Reassentamentos Rurais Coletivos implantados pela UHE Estreito nos municípios de Palmeira do Tocantins/TO, Babaçulândia/TO, Araguaína/TO e São Bento do Tocantins/TO. Tem capacidade instalada total de 1.087 MW. Cliente Consorcio Estreito Energia (CESTE).

Monitoramento das águas superficiais e subterrâneas da UTE Pampa Sul - Usina Termelétrica Miroel Wolowski

– Desde 2015

Monitoramento através da realização de campanhas mensais para avaliação de possíveis efeitos da implantação e operação da UTE Pampa Sul sobre a qualidade da água dos principiais cursos d’água e a variação do nível freático e da qualidade das águas nos mananciais subterrâneos. Esse empreendimento constitui-se de uma usina termelétrica movida a carvão mineral, ainda em fase de implantação, localizada no município de Candiota/RS, com capacidade bruta instalada de geração de 340 MW. Cliente Tractebel Energia/ Engie.

Diagnóstico Ambiental Integrado na região da Foz do Rio Bonito - Minaçú

– 2012

Avaliação do aporte de sedimentos da bacia de contribuição e a carga orgânica de nutrientes lançadas através de modelagem matemática de potencial erosivo, hidrodinâmica e qualidade da água, propondo-se soluções de intervenção para a resolução. Cliente Tractebel Energia/ Engie.

Monitoramento Hidrossedimentológico da UHE Itaocara I

– Desde 2014

Execução do Programa de Monitoramento Hidrossedimentológico previsto no PBA da UHE Itaocara I, através de nove medições trimestrais de descargas líquidas e sólidas em duas estações fluviosedimentométricas nos principais tributários do reservatório. Além das medições são executados estudos das curvas de descarga sólidas e líquidas, além de aporte de sedimento pelo rio Paraíba do Sul.

Inventário Florestal e Mapeamento da vegetação e do uso do solo das áreas do canteiro de obras e do reservatório da UHE São Salvador

– 2005

Trabalho integrante dos Programas Ambientais do empreendimento, desenvolvido para a Companhia Energética São Salvador (CESS).

Monitoramento da qualidade das águas superficiais da UHE São Salvador

– 2005 – 2011

Monitoramento da Qualidade da Água do Reservatório da UHE São Salvador, localizada no rio Tocantins com uma bacia hidrográfica de 61.298 Km² e uma vazão média de longo período (na fase rio) de 958 m³/s. São Monitorados um total de 13 pontos. Foram realizadas nestas estações análises de parâmetros físico-químicos-bacteriológicos, parâmetros de metais pesados e além disso foi realizada a caracterização de
indicadores biológicos como o ftoplâncton, zooplâncton, macro-invertebrados bentônicos e perifton.

Cliente Companhia Energética São Salvador (CESS).

Monitoramento hidrossedimentológico do Complexo Energético Rio das Antas

– 2004 – 2008

Monitoramento hidrossedimentométrico do Complexo Energético Rio das Antas localizado no rio das Antas, região Nordeste do estado do Rio Grande do Sul. O complexo é formado por três usinas: UHE Castro Alves, UHE Monte Claro e UHE 14 de Julho. As usinas possuem respectivamente potência instalada de 130MW, 130 MW e 100 MW com reservatórios de 5 Km², 1,4 km² e 5 km². Foram implantadas as redes hidrológicas e hidrossedimentológicas compostas por um total de 03 seções de medição, com estações fluviográficas digitais (linígrafos digitais) na bacia de contribuição. Cliente Companhia Energética Rio da Antas (CERAN).

Monitoramento da qualidade das águas subterrâneas da UHE Barra Grande

– 2004 – 2012

Monitoramento da qualidade da água subterrânea na área de influência dos reservatórios das UHE Barra Grande no rio Pelotas, divisa entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Foi realizado o cadastro de aproximadamente 93 poços tubulares na área de influência destes reservatórios, localizados no aquífero fraturado frio da Formação Serra Geral. Foram realizadas análise e classificação dos poços monitorados quanto aos padrões de qualidade mineralógicos e sanitários para consumo, além do acompanhamento da evolução das alterações no sistema ao longo das fases de estabilização e/ou operação dos reservatórios. Cliente Barra grande Energética SA (BAESA).

Monitoramento da qualidade das águas superficiais da UHE Itá

– Desde 2003

Monitoramento da Qualidade da Água do Reservatório da UHE Itá, localizada no Rio Uruguai com uma bacia hidrográfica de 44.800 Km² e uma vazão média de longo período (na fase rio) de 1.022 m³/s. São monitorados 12 pontos. Cliente Tractebel Energia/ Engie.

Monitoramento e controle integrado da água da UHE Barra Grande

– 2002 – 2012

Monitoramento Integrado da Água do Aproveitamento Hidrelétrico Barra Grande, localizado no rio Pelotas com uma bacia hidrográfica de 13.000 Km² e uma vazão média de longo período (na fase rio) de 292 m³/s. A usina possui uma potência instalada de 690 MW com um reservatório de 92 Km² de área inundada e
um volume total do reservatório (cota 647m) de 5,00 x 10
9 m³. O monitoramento Integrado da Água do UHE Barra Grande constitui 04 sub-programas de monitoramento.

Monitoramento da qualidade da água dos poços frios e termais nas imediações das UHEs de Itá e Machadinho

– 1999 – 2007

Monitoramento da Qualidade da Água de 35 poços no entorno do reservatório relativo a parâmetros físicos, químicos e microbiológicos. Cliente MAESA.

PBA da UHE Garcia II

– 1993

Projeto Básico Ambiental da UHE Garcia II, cujo detalhamento dos programas de controle ambiental resultou na obtenção da Licença Ambiental de Instalação (LAI). Cliente Portobello.

EIA-RIMA da UHE Salto Pilão

– 1993

Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental da UHE Salto Pilão, com potência instalada de 125 MW, nos municípios de Lontras, Ibirama e Apiúna. Cliente CELESC.

Estudos Ambientais de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí

– 1990

Compreendeu uma área de 15.500 km² com aprofundamento das questões relativas aos aproveitamentos de Salto Pilão, Dalbérgia e Benedito Novo. Os estudos indicaram Salto Pilão como o melhor aproveitamento e o eixo C como o de menor impacto socioambiental.

Cliente CELESC.

EIA/RIMA da UHE Cubatão

– 1989

Desenvolvimento de estudos setoriais de qualidade da água, estimativa de fitomassa alagada, legislação, infraestrutura regional, patrimônio histórico-arquitetônico-paisagístico, arqueologia, inserção regional, comunicação social e avaliação dos impactos ambientais. A UHE possui como características uma
potência instalada de 45 MW, área alagada de 4,20 km² e volume do reservatório de 58,0 x 106 m³. Serviço sub-contratado pela ENGEVIX.
Cliente CELESC.

LINHAS DE TRANSMISSÃO

Monitoramento de processos erosivos nas bases das torres e seus acessos da Linha de Transmissão 230kV Guarita - Foz do Chapecó - Xanxerê

– 2016

Investigação in loco realizada em cada uma das 368 torres que compõem a Linha de Transmissão 230KV Guarita – Foz do Chapecó – Xanxerê, ao longo de 14 municípios, na busca de evidências de indícios de processos erosivos ativos que pudessem expor qualquer tipo de risco à Linha de Transmissão. A extensão total é de 153,5 km. Cliente Foz do Chapecó Energia.

RAS da Linha de Transmissão Blumenau - Itajaí

– 2001

Estudos Ambientais para uma Linha de Transmissão de 230 kV, circuito duplo com extensão de 36,5 km, localizada no Vale do Itajaí, atravessando diferentes estágios de preservação da Floresta Ombrófila Densa.  Obteve-se a Licença Ambiental Prévia (LAP) e a autorização para corte de vegetação. Cliente ELETROSUL.

RAS da Linha de Transmissão Joinville - São Francisco do Sul

– 2001

Estudos Ambientais para uma Linha de Transmissão de 230kV, circuito duplo com extensão de 44,6 km entre Joinville e São Francisco do Sul. Os estudos apontaram o seccionamento de uma área identificada pela FUNAI em 1998 como terra indígena Guarani, obrigando a alteração do traçado original numa extensão de 18 km. Cliente ELETROSUL.

MODELAGEM DE QUALIDADE DA ÁGUA

Modelagem Matemática da qualidade da água do reservatório da UHE Machadinho sob a influência da operação da UHE Barra Grande e UHE Campos Novos através do modelo CE-QUAL-W2

– 2005

Foi realizada a avaliação da qualidade da água para a UHE Machadinho levando­-se em consideração as implantações e operação das UHE´s de Barra Grande e Campos a montante, nos principais tributários do reservatório da UHMA, rio Pe­lotas e rio Canoas. Utilizou-se o modelo do tipo bidimensional 2-DV-CE-QUAL­-W2 do exército americano (Waterways Experiment Station – US Army Corps). Para a simulação foram consideradas 4 hipóteses de enchimento e operação dos reservatórios de montante, consi­derando-se as vazões de enchimento, vazões sanitárias e vazões de geração comercial. Além disso, computou-se os períodos de enchimento, início de opera­ção e início de estabilização, contemplando-se o respectivo deplecionamento do reservatório da UHMA, UHBG e UHCN. Cliente Machadinho Energética SA (MAESA).

Modelagem Matemática da qualidade da água do enchimento do reservatório da UHE Barra Grande através do modelo CE-QUAL-W2

– 2005

Foi realizada a avaliação da qualidade da água do enchimento e operação para a UHE Barra Grande, utiliza 2 modelos: CE-QUAL R1 (1-DV) e CE-QUAL W2 (2-DV) (Waterways Experiment Station – US Army Corps). Cliente Barra Grande Energética SA (BAESA).

Modelagem Matemática da qualidade da água do enchimento do reservatório da UHE Garibaldi através do modelo CE-QUAL-R1

– 2013

Foi realizada a avaliação da qualidade da água do enchimento e operação para a UHE Garibaldi utilizando-se o modelo CE-QUAL R1 (1-DV) – US Army Corps. Foram consideradas 5 cenários de desmatamento para enchimento e operação de longo período do reservatório. Foi avaliada a qualidade da água com aportes de carga poluidoras da bacia de contribuição (DBO, P e N)  estimada pela série histórica de monitoramento. Realizou-se ainda análise de Qualidade da Água com enterro de resíduos vegetais sob o reservatório. Cliente Triunfo – Rio Canoas.

Modelagem Matemática da qualidade da água do enchimento do reservatório Jaguarão J2- UTE Pampa Sul pelo modelo CE-QUAL-W2

– 2017

Foi realizada a avaliação da qualidade da água do enchimento e operação do reservatório Jaguarão J2 da UTE Pampa Sul em Candiota/RS, através do modelo CE-QUAL W2 (2-DV) – US Army Corps. Foram simuladas as condições de enchimento e operação do reservatório para atendimento da demanda da água de serviço e refrigeração e usos de água para abastecimento das cidades de Hulha Negra/RS e Candiota/RS. Os parâmetros simulados foram Temperatura, Oxigênio Dissolvido, DBO, Nitrogênio e Fósforo. Cliente UTE Pampa Sul SA.