O World Marine Mammal Science Conference é o encontro internacional que reúne os principais pesquisadores de mamíferos marinhos no mundo. Este ano ele foi realizado em Barcelona, Espanha e recebeu 1640 apresentações feitas por pesquisadores de 95 países. Durante a cerimônia de premiação, Larissa Dalpaz estava presente e demorou pra acreditar que era seu nome sendo anunciado na categoria de melhor apresentação estudantil oral.

Larissa Dalpaz se formou em Biologia na Universidade Federal de Santa Catarina, e durante a graduação estagiou na Socioambiental dentro do Projeto de Monitoramento de Cetáceos na Bacia de Santos (PMC-BS). Logo após formada, ingressou no Mestrado também na UFSC, para estudar a população de baleias-de-Bryde que vive na Bacia de Santos. Leia mais

Na sexta-feira (08/11) a equipe da Socioambiental se reuniu para receber um treinamento em Python, uma linguagem de programação muito versátil para a análise de dados ambientais. O responsável por conduzir o curso foi Ailton Moreira, engenheiro sanitarista e ambiental, que realiza seu estágio de pós-graduação aqui na Socio.

Por ser uma ferramenta livre, o Python é muito utilizado em todo o mundo por diferentes profissionais, não apenas programadores. Na área de análise de dados é um dos preferidos tanto para engenheiros, geógrafos, biólogos etc.
Leia mais

A Socioambiental foi a responsável pela elaboração do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial (PACUERA) da Usina Hidrelétrica Itá (empreendimento do Consórcio Itá)

Neste vídeo você pode conhecer um pouco do processo de elaboração de um PACUERA e, principalmente, saber dos bastidores da Consulta Pública do Plano. Nos dias 27 e 28 de agosto de 2019, as cidades de Marcelino Ramos/RS e Itá/SC foram o palco deste evento. Sob coordenação do IBAMA/RS a Consulta Pública envolveu as 11 cidades lindeiras do reservatório artificial.

 

Separadas por mais de 10 mil km, a cidade de Itá/SC e a vila Eski Savasan Koyu na Turquia têm uma semelhança que uma foto é o suficiente para entender. Isso porque, os dois locais foram inundados devido à construção de uma barragem, e tanto aqui como na Turquia, o templo religioso da comunidade (igreja e mesquita, respectivamente) foram submergidas, ficando acima d’água apenas as torres das construções. Leia mais

A Socioambiental está elaborando o Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial (PACUERA) da Usina Hidrelétrica Cana Brava, no rio Tocantins (GO).

A Usina tem potência instalada de 450 kW, e seu reservatório tem área alagada de 139 km2. A UHE Cana Brava está operando desde maio de 2002

O PACUERA é uma ferramenta de planejamento ambiental que busca orientar e disciplinar a conservação e o uso sustentável da Área de Preservação Permanente (APP) e do espelho d’água do reservatório. Segundo o Código Florestal, até 10% da APP pode ser destinada ao uso, como por exemplo, corredor de dessedentação de animais, lazer (rampas e trapiches), atividades produtividade e captação de água. Todas essas atividades apoiam o trabalho de pequenos produtores rurais, possibilitando o uso econômico e sustentável da APP, além de ajudar a desenvolver o turismo na região.

Chegando em Cuiabá ainda temos mais 498 km para entrar na Terra Indígena (TI) Tirecatinga, localizada no noroeste do estado, no Cerrado brasileiro. A TI Tirecatinga, demarcada em 1983, possui uma área  de 130.575 hectares em meio a uma das áreas onde o agronegócio é mais forte no Brasil. O território é delimitado pelos rios Papagaio e Buriti, que compõem a bacia hidrográfica do rio Juruena e banham a região onde vivem os Povos das etnias Nambikwara, Terena, Paresi e Manoki.

A Sociambiental está executando a Componente Indígena do Plano Básico Ambiental da PCH Buriti. Neste vídeo você pode compreender um pouco do trabalho desenvolvido e ter ideia da riqueza da cultura e do território da Tirecatinga.

A Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Buriti pertence ao grupo Intrepid e tem capacidade instalada de 10.000 kW. Recebeu autorização de operação comercial pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) em agosto de 2018.

 

O ginásio municipal de Marcelino Ramos/RS já estava cheio antes mesmo do horário marcado para começar a primeira Consulta Pública do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial (PACUERA). A importância do evento se refletiu ainda na numerosa participação dos moradores dos municípios lindeiros vizinhos, que utilizaram o ônibus fretado pelo Consórcio Itá (empreendedor da Usina Hidrelétrica Itá) para lá estar e se beneficiar das informações apresentadas. Leia mais

Você está andando pela mata quando de repente escuta o barulho que lhe faz lembrar um chocalho. Ou você está em casa e resolve acender a lareira e quando vai pegar a madeira sente uma picada leve de uma aranha pequena. Este dois exemplos representam casos sérios de risco à sua saúde. Isso porque, estamos falando de uma cascavel e de uma aranha marrom. Apesar da diversidade de animais peçonhentos, existem alguns cuidados que podem te ajudar a sobreviver em situações de emergência (que nem são tão raras assim).

Leia mais


Se estivesse vivo, certamente Fritz Plaumann, o lituano que se mudou para Santa Catarina em 1924 e durante 70 anos de estudo em botânica e entomologia descobriu 1500 espécies de insetos, estaria orgulhoso em saber que um Parque Estadual foi batizado com seu nome. E mais orgulhoso ainda em saber que é uma referência nacional em gestão compartilhada entre o órgão ambiental e um grupo formado pela própria população local. Estamos falando do Parque Estadual Fritz Plaumann em Concórdia, SC, gerido entre o IMA (Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina) e a ECOPEF (Equipe Co-Gestora do Parque Estadual Fritz Plaumann), uma OSCIP (Sociedade Civil de Interesse Público) criada em 2007 com a finalidade de participar dos cuidados e administração do Parque. Nesses 12 anos de existência, conquistou premiações concedidas pelo Ministério do Turismo, a Câmara de Comércio Americana e do próprio IMA, por exemplo. Leia mais

A busca pelos melhores resultados no menor tempo muitas vezes fazem do nosso trabalho um potencial risco à vida e ao ambiente que estamos. O sistema SMS (Segurança, Saúde e Meio-Ambiente) é justamente uma estratégia para conscientizar quais são as verdadeiras prioridades durante nossa rotina profissional e, porque não, pessoal. 

É normal pensar que um trabalho efetivo tem a ver exclusivamente com a rapidez com que se alcança os objetivos, mesmo que isso signifique, por exemplo, ultrapassar o limite de velocidade na estrada. 

O SMS, se visto superficialmente, pode ser considerado mero protocolo de segurança. Porém, se levado a sério, é fácil perceber a quantidade de conhecimentos intrínsecos que podem ser aplicados no nosso dia a dia e resultam numa vida mais sustentável, tanto para o nosso corpo como para o ambiente. Leia mais